fbpx

Coloque seu celular no modo retrato

São muitos benefícios em ser assinante! Cadastre-se, Deguste sua Edição GRÁTIS e Assine!

Tratamento Cinco principais perguntas sobre diabetes respondidas por especialistas

Endócrinos destacam dúvidas frequentes nos consultórios, que envolve o diabetes gestacional, o consumo de doces e frutas, a prática de atividade física e a relação entre o diabetes e outras doenças, como hipotireoidismo.

Redação | 11/11/2020

Cinco principais perguntas sobre diabetes respondidas por especialistas

Que atire a primeira pergunta quem nunca ficou em dúvida se pessoas com diabetes podem fazer atividade física, se o doce é o vilão da doença. A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia do Estado de São Paulo (SBEM-SP) elencou as cinco perguntas mais frequentes que os pacientes fazem nos consultórios médicos e explicou cada uma delas no texto a seguir. Confira!

  1. Meu filho vai nascer com diabetes porque eu tenho diabetes gestacional?
    Não, de forma alguma. O diabetes gestacional é muito mais parecido com diabetes tipo 2, que tem a ver com resistência à insulina, ganho de peso, genética e história familiar. A mulher que até então não tinha diabetes, acaba desenvolvendo a hiperglicemia, que é o chamado diabetes gestacional, a partir da 26ª ou 28ª semana da gravidez em razão também do ganho de peso e dos hormônios placentários. O diabetes gestacional precisa de tratamento para evitar complicações para o bebê, para mãe e durante o parto.
  2. Comer doce causa diabetes?
    Isso é um grande mito. O diabetes tipo 2, que corresponde a 90% dos casos, , do mundo e tem várias causas que, em conjunto, desencadeiam a doença. São elas: sedentarismo, tendência genética e, principalmente, o ganho de peso, decorrente do excesso de calorias ingeridas. Dessa forma, a pessoa pode ter excesso de calorias tanto por ingerir açúcar como também por ingerir pão, batata, arroz e outros tantos alimentos. Resumindo: não é o fato de comer especificamente açúcar que causa diabetes, mas sim o fato de comer qualquer alimento em excesso.
    Confira também: Quem tem diabetes pode comer batata-doce?

  3. Tenho diabetes e hipotireoidismo, uma coisa pode afetar outra?
    É importante diferenciar nesse caso diabetes tipo 1 e tipo 2. O paciente portador de diabetes tipo 1 têm uma chance maior de desenvolver o hipotireoidismo, principalmente porque a principal causa disso também é uma doença autoimune. Mas não se pode dizer que o hipotireoidismo pode descompensar esse diabetes. No caso do paciente com diabetes tipo 2, a obesidade e a resistência insulínica apresentadas pode aumentar o risco de desenvolver nódulo de tireoide e até câncer de tireoide.
  4. Quem tem diabetes pode fazer exercício?
    Pode e deve. A atividade física melhora o controle do diabetes e atividades como musculação e pilates ajudam no controle da glicose do sangue e trazem outros benefícios, como prevenção da osteoporose. Até mesmo atividade física aeróbica, como caminhar ou dançar, ajudam bastante no controle do diabetes e no sistema cardiovascular. Mas é muito importante lembrar que antes de qualquer atividade física, é fundamental conversar com um médico para fazer uma avaliação e determinar qual será o melhor exercício físico em cada caso.
  5. Tenho diabetes, mas posso consumir frutas à vontade porque são saudáveis, né?
    Pode consumir frutas sim, mas com moderação. Em média, é permitido de três a quatro porções de fruta por dia para quem tem diabetes. É muito importante verificar o potencial dessas frutas em aumentar a glicemia. Frutas com índice glicêmico alto, tais como banana, manga, ameixa e goiaba devem ser consumidas com menos frequência do que frutas que têm um índice glicêmico mais baixo, como maçã, pera, morango, laranja, mexerica.Em relação às frutas que têm bagaço, a recomendação é consumir a fruta e não suco dela, pois o suco apenas pode aumentar a glicemia. A dica é não retirar o bagaço da fruta ou a casca, pois as fibras contidas nelas podem ajudar a diminuir a glicemia.

    Confira também: Dicas para alimentação saudável na quarentena

Compartilhe