Coloque seu celular no modo retrato

São muitos benefícios em ser assinante! Cadastre-se, Deguste sua Edição GRÁTIS e Assine!

Eneida Ramos Caqui: o fruto dos deuses

Excelente fonte de betacaroteno, antioxidante que favorece a saúde dos olhos, o caqui pode se tornar um grande aliado de quem tem diabetes. Só é preciso saber comer.

Letícia Martins | 02/07/2018

Caqui: o fruto dos deuses

De origem asiática, o caqui ganhou o paladar dos brasileiros no século 19, quando os primeiros imigrantes japoneses chegaram ao país com a fruta, que facilmente se adaptou ao solo e às condições climáticas das regiões Sul e Sudeste. Em Itatiba, por exemplo, no estado de São Paulo, os agricultores comemoram a colheita no mês de abril com a festa do caqui. Mogi das Cruzes, a 42 quilômetros da capital paulista, também tem a economia aquecida pela safra. O alimento é tão popular lá que a cidade foi apelidada de terra do caqui.

Na Europa, ele é conhecido coma dióspiro, que significa alimento de Zeus, deus da mitologia grega. Por aqui também agrada os nutricionistas devido à abundância de benefícios. “O caqui é uma fonte excelente de vitaminas A, C e E, que auxiliam na defesa e na manutenção do organismo, além de oferecer fibras, que ajudam no bom funcionamento do intestino, e minerais, como cálcio, ferro e zinco”, destaca Eneida Ramos, nutricionista clínica funcional e educadora em diabetes pelo Hospital Israelita Albert Einstein.

Apesar de existirem variedades que “travam a boca”, quando maduro, o caqui é doce e suculento. Isso faz muita gente pensar que quem tem diabetes deve passar longe dele. Grande mito, afirma Eneida. “Assim como outras frutas adocicadas, entre elas manga, melancia e banana, o caqui foi condenado na dieta desse público porque acredita-se que ele aumenta muito o açúcar no sangue”, explica. De fato, o teor de frutose (açúcar natural) dele não é baixo: são 19,3 g a cada 100 g. Mas o perigo maior, enfatiza a especialista, está no excesso. “Por ser uma fruta bem docinha e gostosa, as pessoas acabam consumindo duas ou mais unidades, correndo o risco de elevar rapidamente a glicemia sanguínea.” [optinlocker]

No entanto, continua a nutri, essas frutas oferecem importantes micronutrientes e compostos bioativos fundamentais para a saúde e “por isso, merecem ser incluídas na alimentação de todos, até das pessoas com diabetes tipo 1 e 2, em quantidades adequadas e bem distribuídas ao longo do dia. O segredo, como sempre, está na moderação, afinal qualquer fruta, se consumida em excesso, aumentará a glicemia.

Bom para os olhos

Quer outro motivo para consumir caqui? Ele é rico em dois potentes antioxidantes: licopeno e o betacaroteno, que atenuam o efeito prejudicial dos radicais livres no nosso organismo. O betacaroteno, em especial, é um grande aliado da saúde ocular, pois ajuda a prevenir problemas de visão, que afetam muitos pacientes com diabetes.

Como consumir

“O ideal é fazer um rodízio no consumo diário das frutas, com três variedades para garantir a oferta de diferentes vitaminas e minerais”, recomenda Eneida. Para quem tem diabetes, uma unidade pequena de caqui (80 a 85 g) por dia, é suficiente. Opte pela fruta in natura (crua), preferencialmente como sobremesa, pois assim as fibras presentes nas verduras, legumes e cereais integrais da refeição vão deixar a absorção dos carboidratos mais lenta, favorecendo um bom controle glicêmico. De vez em quando dá para preparar uma geleia, pudim ou mousse e saborear também, seguindo as orientações do seu nutricionista. Se a ideia é incluir o caqui no lanche da tarde, melhor acrescentar algumas amêndoas ou outra fruta oleaginosa para ajudar a equilibrar a glicemia.  Já o suco de caqui já não é uma boa pedida, pois normalmente utiliza-se mais de uma unidade da fruta e o teor de frutose fica alto demais. Se quiser uma bebida com esse sabor opte por um refresco, isto é, caqui batido com água gelada ou com água e limão.

BOXES / GRÁFICOS

Tipos de caqui mais consumidos pelos brasileiros

  • Rama Forte: possui coloração vermelha, polpa de consistência mole e gelatinosa.
  • Taubaté: tem coloração vermelha e polpa de consistência mole.
  • Giombo (tipo chocolate): alaranjado, de consistência firme e crocante.
  • Fuyu: alaranjado e de consistência firme também.

As propriedades do caqui
Um caqui médio (de 100 g) oferece:

  • Calorias: 71 kcal
  • Fibras: 6,5 g
  • Cálcio: 18 mg
  • Vitamina C: 29,6 mg
  • Potássio: 164 mg
  • Fósforo: 18 mg
  • Carboidrato: 19,3 g

Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (Taco)​

Sugestão da nutri

Adepta do “mindful eating”, que é o hábito de comer com atenção plena, Eneida Ramos ensina:

Se o caqui é considerado um alimento dos deuses, experimente saboreá-lo como se fosse um banquete. Feche os olhos e coma bem devagar, desfrutando cada grama dessa fruta poderosa. Desligue a televisão, não mexa no celular, foque sua atenção exclusivamente nessa dádiva que é comer bem. Dessa forma, é possível que você se sinta saciado mais rapidamente e, em consequência disso, coma menos.

DICA: Na hora da compra, observe se a fruta está firme, com a coloração uniforme e sem rachaduras, que aceleram o processo de deterioração.

Foto: Pixabay [/optinlocker]

Compartilhe