Coloque seu celular no modo retrato

São muitos benefícios em ser assinante! Cadastre-se, Deguste sua Edição GRÁTIS e Assine!

Crianças Como aproveitar as férias escolares sem bagunçar o controle glicêmico

Com equilíbrio, planejamento e alguns cuidados, a garotada pode curtir as férias escolares sem deixar de cuidar do diabetes.

Bianca Fiori | 23/07/2019

Como aproveitar as férias escolares sem bagunçar o controle glicêmico

Tocar no assunto disciplina durante as férias pode ser um tanto quanto chato. No entanto, para aproveitar bem o merecido descanso é fundamental pais e filhos não se descuidarem de determinadas atitudes importantes que podem comprometer o tratamento do diabetes.

De acordo com a endocrinologista Denise Ludovico, membro da ADJ Diabetes Brasil, é ideal manter nas férias os cuidados com alimentação, aplicação da insulina e medições de glicemia. “Em caso de viagens ou necessidade de mudança nas atividades habituais, é fundamental que os pais conversem com o médico e se programem para não provocar nenhum impacto na glicemia”, explica a médica.

A flexibilização com horários na hora de deitar e acordar também pode acontecer, mas os especialistas permanecem recomendando que as crianças tenham uma média de 7 a 8 horas dedicadas ao sono, afinal o descanso noturno é essencial para recarregar a bateria, principalmente neste período em que a criançada tende a ficar mais agitada.

 

Sem tempo para ficar parado

Os pais devem incentivar brincadeiras e exercícios que façam a galerinha se movimentar em vez de só ficar na frente da televisão, do computador ou do videogame. Além de facilitar a ação da insulina na corrente sanguínea e evitar o ganho de peso, a prática de atividade física combate o estresse e a ansiedade e melhora a qualidade do sono, ou seja, motivos não faltam para incentivar os filhos a se exercitar.

Passeios no parque, caminhadas, esportes coletivos, como futebol, peteca, queimada, bicicleta e outras atividades ao ar livre costumam ser opções divertidas e de baixo investimento. “Só não pode esquecer de se alimentar bem antes das atividades e levar lanche e balas na bolsa, para o caso de uma hipoglicemia”, recomenda Denise.

Apesar de no Brasil, o recesso escolar coincidir com as estações frias – outono e inverno e a diversão fora de casa não ser muito atrativa, os pais devem buscar alternativas na sua região.

Fernanda Carrasco Brizzi, que é educadora em diabetes e mora em Arapongas, no interior do Paraná, onde as temperaturas caem bastante nessa época, apela a criatividade todos os anos durante as férias para ocupar o tempo do filho Enzo, de 12 anos, que tem diabetes tipo 1.

“Aqui existem buffets infantis que ficam abertos durante o dia para as crianças poderem brincar. Há opções de tirolesa, cama elástica, boliche e até quadra de futebol. Ele adora”, contou ela na seção Kids da 5 edição da Momento Diabetes. (Adquira clicando aqui).

Na época, Enzo colocou estava em fase de adaptação com o uso da bomba de infusão de insulina, por isso, Fernanda sempre o acompanhava nas brincadeiras e mantinha o controle na hora do filho dormir fora de casa na ausência dela. “É uma fase de adaptação necessária. Assim que ele tiver mais idade e experiência com a bomba, poderá brincar sozinho na casa dos amigos ou viajar sem mim”, disse Fernanda.

Além disso, a mãe ficava de olho nos cuidados que o aparelho requer, por exemplo, nos dias mais quentes, quando dá para pegar uma piscina no clube, tirando a bomba de insulina do filho, verificando a glicemia assim que o garoto sai da água e recolocando o aparelho no máximo duas horas depois.

A responsabilidade é grande, mas Fernanda também se dedicava a checar o adesivo da cânula e quando necessário fazer a troca.

 

Diversão até na mesa

Durante as férias, a rotina alimentar também sofre alteração e a tentação por guloseimas, fast foods, produtos industrializados e refeições congeladas, que contêm alto teor de sódio, gordura saturada e açúcar, é uma realidade do período descanso.

A nutricionista Ana Paula Martins Randis, supervisora de Merenda Escolar das Escolas Estaduais do Vale do Paraíba Paulista, destaca que o equilíbrio é a palavra-chave. “Dá para ser mais flexível durante as férias, mas, mesmo que a criança ou o adolescente não tenha problemas de obesidade ou sobrepeso, é recomendado manter uma alimentação saudável com a inclusão de frutas, legumes e produtos integrais”, afirmou.

Para despertar o interesse das crianças por alimentos saudáveis vale apostar em cardápios mais atrativos, com visuais que despertem o desejo pela comida, já que o ato de comer envolve todos os sentidos. Além do sabor, a textura e o cheiro dos alimentos são essenciais. Uma dica para aumentar a ingestão desses alimentos é deixá-los prontos para o consumo.

Isso inclui desde frutas frescas, como morango, banana, maçã e pera, bolo preparado com flocos de aveia, bolo de cenoura, biscoitos caseiros integrais e gelatina, entre outras sugestões. Os lanches naturais com peito de frango, salada e queijo branco, por exemplo, são boas opções para matar a fome da tarde.

Também é importante prestar atenção na sede da garotada, é importante oferecer sempre água e sucos naturais para aumentar a hidratação, já que o agito das brincadeiras faz os baixinhos gastarem bastante energia, o que, aliás, é muito saudável e recomendado, afinal, estão de férias.

 

Dicas para as doces férias

Não importam quantos quilômetros você pretende percorrer nas férias para passear com seu filho. Se ele tem diabetes, além da mala de roupas e pertences pessoais, é fundamental preparar também o kit pâncreas.
Entre as recomendações estão:

  • Fazer um check-list dos itens que precisa para medir e controlar a glicemia do seu filho, como glicosímetro, fitas reagentes, lancetador e lancetas, seringas e/ou canetas, insulinas e/ou medicamentos;
  • Se for ficar muitos dias longe de casa, levar quantidades extras de insumos e insulina, além de pilhas e baterias a mais para o medidor de glicemia ou bomba de insulina;
  • Consultar o médico antes de viagens longas para os devidos ajustes nas doses de insulina em caso de fuso-horário;
  • Levar sempre sachês ou pastilhas de glicose, balas e outras fontes de carboidratos simples para reverter uma hipoglicemia. Também é recomendado ter por perto o glucagon para situações de emergência;
  • Colocar na bolsa do seu filho um cartão de identificação escrito TENHO DIABETES e os seus contatos.

 

Texto adaptado por Sarah Almeida

Compartilhe