Ela tem mais de 137 mil seguidores no Facebook e sabe muito sobre diabetes, apesar de não ter a condição. Além da presença online, Mônica Lenzi viaja o Brasil ensinando profissionais de saúde e pacientes.

Por Bianca Fiori

Farmacêutica, mãe, esposa, empreendedora nata e conselheira da Momento Diabetes, a mineira Mônica Lenzi não mede esforço para levar conhecimento e informação sobre diabetes ao maior número possível de pessoas e mostrar como o farmacêutico pode ajudar quem tem a condição a aderir melhor ao tratamento e atingir o controle glicêmico. “Quando optamos por uma profissão na área da saúde, escolhemos cuidar de alguém. Eu escolhi cuidar das pessoas com diabetes”, diz. Saiba mais na entrevista a seguir.

Momento Diabetes: Como começou sua história com o diabetes?
Mônica Lenzi: O diabetes surgiu para mim como oportunidade de transformar a vida das pessoas. Em 2004, eu morava em Blumenau (SC) e trabalhava viajando muito. Queria ter filhos, mas a maternidade não era compatível com a minha carreira profissional. Por isso, pensei em montar uma farmácia, pois assim poderia trabalhar perto dos meus filhos e voltar para casa todas as noites. Mas não queria que ela fosse mais uma no meio de tantas farmácias que existiam no mercado. Como herdei o espírito empreendedor da família do meu pai, logo dei início a um plano de negócios e, em minhas pesquisas, verifiquei que as pessoas com diabetes tinham que fazer uma verdadeira peregrinação para conseguir tudo o que precisavam para controlar a doença. Foi assim que decidi abrir uma farmácia que atendesse a este público e tivesse tudo o que eles precisam: medicamentos, insumos, alimentos especiais, entre outras coisas.

Momento Diabetes: Qual é o papel do farmacêutico no tratamento do diabetes?
Mônica: O farmacêutico é visto pela sociedade como o profissional da produção e distribuição de medicamentos, mas ele também é um profissional de saúde. Quando optamos por esta área, escolhemos cuidar de alguém. Eu escolhi cuidar das pessoas com diabetes. O farmacêutico é o profissional de saúde que está mais próximo dos pacientes, já que vamos mais à farmácia do que ao médico. Ele pode ajudar com acompanhamento e orientação sobre o uso correto dos medicamentos, sobre como manusear os insumos e até em questões relacionadas às mudanças de hábitos etc. Várias pesquisas demonstram que, com a intervenção do farmacêutico, o diabético tem uma melhor adesão ao tratamento, minimizando o surgimento de complicações ao longo do tempo.

Momento Diabetes: O que você ensina nos treinamentos que faz pelo país? 

Este conteúdo faz parte da edição 09 da revista Momento Diabetes. Compre aqui a sua.