Você não precisa ficar longe do chocolate, mas é bom saber que o diet nem sempre é o mais recomendado e que quanto mais amargo, melhor

Por Letícia Martins

Quem nunca exagerou no docinho que atire a primeira pedra. Nesta época do ano, então, é quase impossível resistir. A Páscoa acabou de passar, porém as vitrines e prateleiras dos supermercados ainda exibem trufas, cascatas e até ovos de chocolate. E no ar paira a dúvida: quem tem diabetes pode saborear essa delícia dos deuses?

A resposta é depende. Sim, depende se você consegue ir com calma ao pote e se você entende que há versões que são quase uma bomba de açúcar, enquanto outras oferecem nutrientes que colaboram com a saúde. Então, vamos por parte. Em primeiro lugar, moderação é fundamental. Não é porque é dia de comemorar que vamos exagerar na dose ou, neste caso, no pedaço. Tudo bem que todo mundo é feliz comendo chocolate. Ele possui uma substância chamada tripofeno, que libera no nosso organismo a serotonina, hormônio responsável pela sensação de prazer e bem-estar.

Além disso, o alimento é fonte de flavonoides, pigmentos naturais que protegem os vegetais contra os raios ultravioletas e a poluição. Para nós humanos, os flavonóides apresentam atividade antioxidante, combatendo a formação de radicais livres. Há vários estudos abordando o uso deles na prevenção de inflamações e algumas doenças. Mas mesmo com tantos benefícios, o exagero pode custar caro à saúde, já que o chocolate costuma ter bastante caloria e carboidrato, causando impacto no controle glicêmico.

Por isso, em segundo lugar, é importante conferir a composição do alimento. A nutricionista clínica e educadora em diabetes de Campinas (SP), Ticiane Gonçalez Bovi, ensina que, além do açúcar, o chocolate contém proteína, gordura e carboidratos vindos de outros ingredientes, como o leite, por exemplo. “Quando consumidos em excesso, esses nutrientes podem elevar a glicemia”, aponta.

Até as versões diets, que não possuem açúcar adicionado à fórmula, aumentam a glicose no sangue, pois costumam ter um teor alto de gordura na composição e ela só vai agir quatro horas depois da ingestão. Por isso, se não estiver bem informada, a pessoa faz uma hiperglicemia tardia sem saber o motivo. Além disso, algumas opções diets apresentam uma quantidade excessiva de sódio dado o uso de outros componentes para sua fabricação.

Quer saber mais sobre este assunto? Na revista Momento Diabetes nº 10, tem  matéria completa sobre o cacau e ainda uma comparação nutricional entre os principais tipos de chocolate: branco, ao leite, amargo, meio amargo e diet. Clique aqui para adquirir a sua!