Por Gabriel Schon Moreira

29 anos, casado com DM1 e filho de DM2. Formado em ciências sociais, tem dez anos de experiência como gerente de projetos e consultoria de performance. Atualmente dedica-se ao desenvolvimento de softwares que possam melhorar o dia a dia de quem tem diabetes.

I-NA-CRE-DI-TÁ-VEL! Já estamos na segunda coluna sobre diabetes tipo 3 (DM3) na Momento Diabetes. Achei que não chegaríamos até aqui, mas parece que curtiram e ganhamos até uma chamadinha na capa da edição sete. Você viu?

Então, lá vamos nós de novo! Alguns de nossos leitores já devem ter acessado o blog Minha Filha Diabética, no qual a enfermeira Nicole Lagonegro compartilha fatos, experiências e aprendizados sobre o tratamento da filha Maria Vittória. Mas não vamos contar a história da Nicole aqui, ok?

Brilhante, então por que estamos falando dela? Fácil, porque a nossa personagem de hoje é a filha caçula da Nicole, a Maria Eduarda ou Duda, como ela prefere ser chamada.

A Duda tem 12 anos, mas aos 4 recebeu uma notícia que mudaria um pouco a vida dela. A irmã Vivi havia sido diagnosticada com diabetes tipo 1, o que fez Duda automaticamente se tornar uma DM3.

Como deve ser fácil de imaginar, no começo surgiu o ciúme. Quando eram menores, Duda e a irmã ajudavam o pai no restaurante. Mas se a Vittória passasse mal e precisasse de atenção da mãe, a Duda ficava chateada, pois tinha que fazer todo o trabalho sozinha. Felizmente, essa fase passou e hoje a Duda consegue enxergar o tratamento da irmã com mais naturalidade e percebe que, de tempos em tempos, precisa fazer a sua parte.

Sempre que a Vittória está doente (gripada, por exemplo), é a vez da Duda entrar em ação, ajudando a irmã a medir a glicemia e a aplicar insulina. Sempre rola um pouco de medo de machucar a irmã e a si mesma com aquelas agulhas, mas, como a vontade de colaborar é maior, o medo passa rapidinho. Ou seja, como todo DM3, a Duda faz o que for necessário para que a irmã fique bem! E você, já pensou na importância de ter ao lado um amigo de sangue para socorrê-lo nos momentos de hipo ou hiperglicemia?

Na próxima edição tem mais histórias do nosso exército de DM3s. Aguarde!

E aí, gostou das dicas? Estarei de novo por aqui na próxima edição para conhecer histórias de outros DM3. Abraços e até lá!

Este conteúdo faz parte da edição 08 da revista Momento Diabetes. Compre aqui a sua.