Moderação é a palavra-chave para não deixar o álcool atrapalhar o controle glicêmico e as confraternizações

A ingestão excessiva de álcool não é recomendada para nenhuma pessoa, independentemente se tem ou não diabetes. No entanto, quem tem a disfunção precisa aumentar os cuidados relacionados ao consumo de bebidas alcoólicas para evitar o descontrole glicêmico.

A nutricionista Ticiane Gonçalez Bovi, especialista em Nutrição em Doenças Crônicas pelo Hospital de Clínicas da Universidade de Campinas (Unicamp), explica que as orientações para a ingestão de álcool são as mesmas para os indivíduos sem diabetes, conforme aponta a Associação Americana de Diabetes:

  • 1 dose ou menos para mulheres;
  • 2 doses ou menos para os homens.

Compreende-se como 1 dose:

  • 1 dose de 150 ml de vinho (1 taça);
  • 360 ml de cerveja (1 lata pequena);
  • 45 ml de destilados (uísque, vodka, conhaque).

Segundo Ticiane, o consumo de álcool deve ser associado à refeição contendo carboidrato, podendo, inicialmente, aumentar os níveis glicêmicos (quantidade de açúcar no sangue) e insulinêmicos (quantidade de insulina no sangue após a ingestão de alimentos).

“Dependendo do tipo de carboidrato ingerido na refeição ou o consumo de álcool em jejum, pode provocar episódios de hipoglicemia reativa, fato que pode acontecer tanto no paciente com DM1 quanto com DM2, especialmente aqueles insulinizados”, diz Ticiane. A hipoglicemia reativa é causada pela ingestão exagerada de carboidratos de rápida absorção, o que gera elevação excessiva da quantidade de insulina, suprimindo a absorção dos açúcares. Associado ao consumo do álcool, pode causar hipoglicemias repentinas.

Ela destaca, ainda, que a sensibilidade aos efeitos do álcool é muito individual, isto é, varia de acordo com a idade e o sexo da pessoa.

Os cuidados básicos são:

  • Não exagerar na quantidade, principalmente d os destilados,
  • Não beber em jejum e, de preferência, comer alimentos que contenham carboidratos,
  • Monitorizar a glicemia ao longo da festa para evitar tanto a hiper quanto a hipoglicemia.

Você pode também conferir aqui alguns cuidados sugeridos pela nutricionista Ticiane Bovi a respeito das ceias de Natal e Ano-Novo e também como os alimentos mais gordurosos, molhos e complementos podem influenciar a sua alimentação.