Acompanhando recentemente a discussão de alguns grupos de WhatsApp de pessoas adeptas de tecnologias relacionadas ao tratamento do diabetes, percebi que muitas delas obtiveram grandes melhoras de sua saúde devido às novas tecnologias disponíveis.

Por outro lado, conforme as pessoas iam descrevendo e compartilhando suas experiências, percebi o enfoque no conteúdo emocional relacionado à adoção dos novos dispositivos, algo que me chamou a atenção por estar relacionado à minha área de estudos – tenho uma especialização em psicologia e certificação em coaching/desenvolvimento humano – e também ao meu dia a dia como usuária de novas tecnologias em diabetes que sou.

As principais discussões nesses grupos giravam em torno, por exemplo, do quanto pode ser desafiador acompanhar os números do sensor de glicemia sem agir na ansiedade. Não são raras situações em que a pessoa está com uma hiper e, apesar de já ter feito a correção, a glicemia continua alta e com “flechas para cima”, gerando uma grande ansiedade. Casos assim levam o paciente a aplicar mais insulina sem necessidade, o que provavelmente resultará num excesso de insulina e consequentemente uma hipoglicemia.

A tecnologia está cada vez mais avançada justamente para evitar este tipo de situação. Ter acesso ao sensor e poder visualizar o número e as tendências é uma maravilhosa ferramenta para a saúde, mas que requer autoconhecimento e gerenciamento emocional para que a pessoa não coloque tudo a perder.

Outa situação bastante comum em relação ao uso do sensor, por exemplo, é que o acesso àquele número na palma das nossas mãos, algo que não tínhamos até então, pode nos levar a um impulso de, na tentativa de controlarmos plenamente como nossa glicemia se comporta, ficarmos olhando para o número quase que o tempo todo.  Algo que não é possível, e também cansativo podendo nos levar a um burnout, um pior controle glicêmico e, claro, perda de qualidade de vida, algo que como disse anteriormente vai na contramão do bem-estar que a tecnologia veio proporcionar às pessoas.

Mas, então, como podemos gerenciar nossas emoções para que elas não nos gerenciem e acabem atrapalhando o tratamento? Como podemos utilizar a tecnologia a nosso favor aumentado inclusive nosso bem-estar e qualidade de vida?

No próximo sábado, dia 11 de novembro, vou falar mais sobre esse assunto no evento Tecnologia em diabetes: aprendendo a usar os recursos disponíveis a seu favor, organizado pela revista Momento Diabetes.

Participe e aprenda a controlar melhor sua glicemia.

Programação:
8h às 8h50
Credenciamento e café da manhã

8h50 às 9h
Abertura com apresentação da equipe Momento Diabetes

9h às 9h20
Palestra 1 – As tecnologias e terapias utilizadas no tratamento do diabetes tipo 1

Convidada: Drª Mônica Gabbay, endocrinopediatra, pesquisadora na área de diabetes tipo 1 e coordenadora de ambulatório de insulina no Centro de Diabetes da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

9h20 às 9h40
Palestra 2 – A importância de gerenciar as emoções para o sucesso do tratamento
Convidada: Fabiana Couto, influenciadora de saúde e bem-estar nas redes sociais, palestrante e especialista em psicologia e comportamento humano. Ela também é idealizadora do movimento Divabética, que promove empoderamento de jovens com diabetes, e cofundadora do programa de entrevistas Cozy Diabetes + Leve.

9h40 às 10h
Palestra 3 – O futuro do diabetes
Convidada: Drª Denise Reis Franco, endocrinologista, pesquisadora em diabetes no Centro de Pesquisas Clínicas (CPClin) e coordenadora do Departamento de Novas Terapias da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD).

10h20 às 10h40
Palestra 4 – Experiências de quem convive bem o diabetes
Convidada: Bianca Fiori, jornalista, sócia-fundadora da revista Momento Diabetes e blogueira do Mãeratonista Diabética. Convive com diabetes tipo 1 há 23 anos.

10h40 às 11h
Intervalo

11h às 11h40
Debate com os especialistas
Os quatro palestrantes ficarão disponíveis para responder as perguntas do público.

11h40 às 12h
Agradecimento e encerramento

INSCRIÇÕES: http://www.momentodiabetes.com.br/produto/evento-momento-diabetes/