Os carboidratos causam grande efeito sobre a glicemia, mas tem um importante papel energético para o nosso organismo. Entenda

 

Embora sejam vistos por muitos como vilão da alimentação, os carboidratos são fundamentais para o organismo de qualquer pessoa porque fornecem energia. Contudo, é preciso ficar atento à quantidade, pois, após a ingestão, eles se transformam completamente em açúcar na corrente sanguínea.

Saber a diferença entre os tipos de carboidrato pode ajudar na hora de calcular a dose de insulina que precisa ser tomada e até mesmo programar os hábitos alimentares.

Existem dois tipos de carboidratos: simples e compostos.

Os carboidratos simples são formados por pequenas moléculas de açúcar, que são metabolizadas mais rapidamente no corpo. Essas moléculas estão presentes na glicose, frutose, sacarose e lactose.

Dessa forma, alimentos que tenham esses açúcares e seus derivados são ricos em carboidrato tipo simples. Exemplos: frutas, mel, leite e derivados, assim como as receitas que levam esses ingredientes, como doces, bolos e bebidas.

Já os carboidratos complexos são formados por moléculas grandes que demoram mais para serem quebradas no organismo, o que significa uma absorção mais lenta. É preciso tomar cuidado porque esses carboidratos nem sempre são doces e podem enganar quem tem diabetes, achando que a glicemia não vai subir.

Os carboidratos complexos aumentam a glicemia de forma mais lenta. Eles são formados principalmente por cereais que contenham amido. Exemplos: arroz, trigo, cevada e aveia. Leguminosas, como feijão e lentilha também são do tipo complexo, assim como tubérculos e raízes.

Agora que você já sabe a diferença entre eles fica mais fácil entender por que devemos ingerir carboidratos simples em caso de hipoglicemia, não é mesmo?

Na revista Momento Diabetes nº 03, você pode conferir uma matéria completa sobre contagem de carboidrato e aprender muito mais sobre o mundo dos carboidratos. Compre aqui.