Em 2016, a Federação Internacional de Diabetes (IDF) reuniu um grupo de pessoas com diabetes de diversos países para identificar os desafios em torno do tratamento em cada região. Chamado Blue Circle Voices, a rede conta hoje com 103 membros, entre eles a jornalista Vanessa Pirolo, coordenadora do Programa Jovens e Adultos com Diabetes da ADJ Diabetes Brasil. Ela foi escolhida por ter se tornado a voz de trinta associações brasileiras junto ao governo para melhorar o tratamento das pessoas com a disfunção.

No dia 23 de maio, Vanessa participou da 70ª Assembleia da Organização Mundial da Saúde (OMS), que ocorreu em Genebra, na Suíça. Na abertura do evento, o presidente da IDF, Nam Han Cho, destacou que o acesso insuficiente aos medicamentos e ao tratamento leva a complicações graves da doença e afirmou: “A instituição está empenhada em ajudar a melhorar o acesso ao cuidado do diabetes para as pessoas com a condição em todo o mundo.”

A representante do Blue Circle Voice dos Estados Unidos, Riva Greenberg, observou que, apesar de ser uma nação de primeiro mundo, o país não possui sistema de saúde de fácil acesso à medicação e aos insumos. Stela Prgomelja, da Sérvia, também classificou como desafiador o acesso a tiras de testes em sua região, principalmente para pacientes com diabetes tipo 2, e criticou a falta de endocrinologistas para crianças.

Por sua vez, Vanessa Pirolo comentou como a crise financeira e política do Brasil está impactando negativamente a vida dos pacientes com diabetes e explicou que muitos deles não têm recebido os cuidados adequados por falta de medicamentos, insumos e até de bons profissionais de saúde. “Se os governos investirem na educação dos pacientes e no acesso a tratamentos mais adequados, haverá redução de recursos, pois hoje se gasta muito mais para tratar complicações do que para preveni-las”, declarou a brasileira.

“A mesa de debate foi uma experiência importantíssima. Os participantes propuseram soluções, como a necessidade de eliminar as principais barreiras no acesso ao tratamento, entre elas o custo alto dos medicamentos, e encorajar pessoas e associações para conversarem com o governo sobre os problemas de saúde pública”, disse Vanessa.

Em sua fala, a jornalista defendeu ainda o envolvimento de todos os setores da sociedade nas questões relacionadas à saúde pública como um dos caminhos para ajudar a aumentar o número de diagnósticos de diabetes tipo 2, afinal, estima-se que no Brasil mais de 8 milhões de pessoas não sabem que têm a doença.