Endocrinologista e membro do Departamento de Novas Terapias da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), Márcio Krakauer tem uma opinião firme e polêmica em relação à falta de adesão ao tratamento do diabetes. Segundo ele, acesso a medicamentos, insumos e informação é importante, mas não são suficientes para tratar a disfunção. “Se o diabetes também fosse relacionado ao óbito, à amputação, à impotência ou à cegueira, sem dúvida, isso despertaria a atenção das pessoas e faria mais pacientes aderirem ao tratamento”, diz. Na entrevista a seguir, o médico explica sua visão baseada em casos reais que acompanha em seu consultório.

Momento Diabetes: Uma pesquisa recente* revelou que 92% dos brasileiros reconhecem a importância da atividade física aliada a uma alimentação saudável para o controle do diabetes. Entretanto, 64% dos entrevistados não praticam nenhum tipo de exercício e o número de pessoas com diabetes tipo 2 não para de aumentar no Brasil e no mundo. A quais fatores o senhor associa esse cenário, já que informação existe? 

Dr. Márcio Krakauer: Informação existe até certo ponto, mas o principal ainda não. Falta transformação, ação, atitude. A mensagem de que o diabetes é uma doença grave, silenciosa, que pode ser diagnosticada com um simples teste de glicemia está sendo passada, mas infelizmente a população não toma uma atitude importantíssima, que é fazer o exame. Acredito que existem vários motivos para que isso ocorra. Por exemplo, a maioria dos indivíduos acha que se fizer o exame e for diagnosticado o diabetes não poderá mais comer doce, o que é um grande mito. Há também o medo de ficar cego ou sofrer amputações e posso acrescentar ainda que as pessoas não querem dedicar uma parte de seu tempo em atividades ou hábitos que ajudarão a prevenir o diabetes ou os problemas decorrentes do mau controle.

A má informação também pode ser responsável pelo aumento de casos de diabetes?

Dr. Krakauer: Acredito que sim. Há informação de má qualidade e, principalmente, em pouca quantidade. dade. Nós médicos, educadores em diabetes e demais profissionais da área da saúde ainda não sabemos como passar as informações corretamente, visando atingir o maior número de pessoas possível, e com qualidade, para que elas tomem as decisões certas para se cuidar melhor. Isso é um grande desafio.

O que é mais importante no tratamento do diabetes?
Dr. Krakauer: Engajamento, comprometimento e motivação do próprio paciente em relação ao diabetes. Acredito que estes três itens, juntos, formam um novo pilar para o tratamento da doença, ao lado dos outros pilares que já conhecemos: educação em diabetes, prática de atividade física, alimentação saudável e uso de medicação. Quando a pessoa está motivada, comprometida e recebe a informação de um profissional capacitado, ela consegue transformar essa informação em uma atitude positiva para controlar melhor a doença.