Rico em bactérias que fazem bem para a saúde do intestino, dos ossos, dos músculos e da pele, o alimento é altamente nutritivo, fonte de proteínas, cálcio e minerais.

“Para os diabéticos os mais indicados são os iogurtes com baixo teor de gordura”, declara a nutricionista, culinarista e proprietária da clínica Nutrição & Ação, Daniella Horn. É nessa hora que surgem as dúvidas. Bebida láctea (ou composto lácteo) e leite fermentado são iogurtes? Não! O iogurte é 100% lácteo e não recebe adição de outra proteína ou gordura que não seja derivada do leite.

Integral: produzido a partir do leite integral. No Brasil, a quantidade de gordura é padronizada, por isso contém 3,5 g de gordura.

Natural: não tem adição de qualquer substância além das culturas microbianas e do leite integral, ou desnatado.

Parcialmente integral: feito com conteúdo de gordura parcialmente reduzido, em média de 2 g de gordura.

Light: alimento que tem 25% a menos de qualquer composto da sua receita original, como sódio, gordura ou açúcar.
Geralmente é produzido com leite desnatado ou semidesnatado.

Saborizados: são aqueles que recebem sabor ou aroma, que podem ser naturais ou artificiais. Os industrializados
são preparados de frutas acrescidos no processo de fabricação.

Batido: nada mais é que o iogurte batido puro, com leite, açúcar ou frutas apenas para mudar a textura dele para líquido. Quem tem diabetes deve evitá-lo, já que leva açúcar.

Desnatado: não tem gordura em sua composição. Por ser feito com o leite desnatado, seu valor calórico é menor. Recomendado para quem deseja manter o peso e está controlando os níveis do colesterol.

Grego: com uma textura mais consistente, é considerado, ao lado do integral, o iogurte mais gorduroso que existe, mesmo na versão light.

 

 

Para mais matérias como essa, adquira aqui: bit.ly/loja-md