Talvez você já tenha ouvido falar sobre “diabulimia”, um termo que une as palavras “diabetes” e “bulimia”. A bulimia é um transtorno alimentar que é cerca de duas vezes mais frequente entre as mulheres com diabetes tipo 1. Por isto foi criado o termo diabulimia que caracteriza o quadro de preocupações excessivas com o peso e imagem corporal e que levam ao mau gerenciamento do diabetes, reconhecida como uma condição de saúde psíquica.

Geralmente pessoas com diabulimia apresentam preocupação com a aparência (principalmente peso) e oscilação na ingestão alimentar, com um sentimento de perda de controle sobre a alimentação. Muitas vezes o quem tem diabetes deixa de aplicar ou reduz as doses de insulina com o objetivo de perder peso.

Outros comportamentos que também podem estar presentes na diabulimia são: praticar atividade física em excesso e alimentação de forma exagerada e compulsiva seguida de vômitos ou uso de laxantes.

Com a redução ou omissão das doses de insulina ocorre aumento da glicemia (nível de glicose no sangue), com perda de açúcar na urina e aumento do volume urinário.

Este quadro pode evoluir para cetoacidose diabética, caracterizada por muito cansaço (respiratório), desidratação, mau hálito (lembra o de maçã estragada) e confusão mental, podendo chegar ao coma cetoacidótico com perda da consciência. A cetoacidose é um quadro grave que leva ao emagrecimento com perda de gordura e músculos. Além disso, com o mau controle do diabetes por muito tempo podem surgir as complicações do diabetes nos olhos, nos rins, nos nervos e nos vasos do coração, cérebro e pernas.

O ciclo de diabulimia.

  1. Sentimentos negativos sobre a imagem corporal, forma e peso;
  2. Depressão, ansiedade e vergonha;
  3. Hiperglicemia crônica (açúcar no sangue elevado durante muito tempo)
  4. Comprometimento nos cuidados com o diabetes, com restrição ou diminuição de insulina.

Pode não ser fácil para uma pessoa com diabulimia saber pelo que está passando e pedir ajuda. Com isso se torna muito importante o apoio da família e profissionais da saúde para que possa dar o suporte médico e psicológico necessário para iniciar o tratamento o mais rápido possível para evitar as complicações.

Cuide-se, você é a pessoa mais importante da sua vida!

Até a próxima!

Fonte: GlicOnline